A terra gira, o tempo não pára, mas com uns Manolo Blahnik tudo é mais fácil...

quinta-feira, 28 de Agosto de 2014

Nós por cá...


Esta é a última semana por cá, mas vamos regressar a Portugal os quatro. Combinámos eu vir cá passar as minhas férias e o Luís ir passar as dele a Portugal e ganharmos assim dois meses a quatro. A nossa vida agora é assim...funciona com um calendário sempre ao lado em que o objetivo é sempre o mesmo: passarmos juntos o maior tempo que nos for possível.

Aqui em Angola o Luís vive num condomínio em que existem muitas casas pré-fabricadas, com todas as condições, e que são a residência de pessoas de dezasseis nacionalidades diferentes ( portugueses, espanhóis, brasileiros, dinamarqueses, ingleses, noruegueses, sul-africanos, angolanos...). Há poucas famílias a viver cá, porque é difícil ter cá os meninos em idade escolar, mas há crianças que passam cá muito tempo. Por aqui temos todas as condições: piscina, ginásio, campos de futebol e de ténis, posto médico... Mesmo ao lado, há muitas famílias que têm muito menos e acreditem que me custa sempre que me sobra comida no prato... 

Passamos um mês aqui. Fizemos amigos. Lemos muito. Jogámos Monopólio, Risck e Ovo Podre. Os miúdos foram à piscina quase todos os dias e eu tentei ir ao ginásio pelo menos três vezes por semana. Dormi a sesta algumas vezes e vimos muitos filmes... Como o Luís trabalhava durante a semana, saímos só ao fim-de-semana, mas não pensem que nos chateamos. Longe disso...afnal o que nós sempre quisemos foi estar juntos. E temos sido felizes.

quarta-feira, 27 de Agosto de 2014

O que a terra dá...





O Luís costuma dizer de Angola que "esta terra dá tudo". Bem, petróleo e ouro não encontrámos, mas que levamos lindas recordações para casa...não duvidem.

segunda-feira, 25 de Agosto de 2014

Aproveitar...










 


Por aqui as praias estão vazias...Para nós a temperatura do ar que ronda os 27 graus é ótima e a da água também. Para os angolanos, não é assim tão boa...

Neste último domingo que passamos por aqui antes de voltarmos a Portugal, o Luís foi-nos mostrar uma das praias de que mais gosta. Fica perto de Porto Amboim, junto a uma aldeia de pescadores e fomos com amigos. 

Eu confesso-me rendida, já não tem conta as vezes que disse que parece que estou dentro de um filme, tal é a beleza das paisagens... 
Agora, o que eu penso é que isto não é turismo de massas...É preciso procurar, relaxar e aproveitar. Com cuidado, mas sem medos (e se eu tinha muitos...as praias que não têm nadador salvador, os caranguejos, o percorrermos estradas solitárias...).

sexta-feira, 22 de Agosto de 2014

Cachoeiras do Binga

 
Vale do Rio Kewe (ou Queve)





Antiga ponte sobre o rio

As cachoeiras do Binga ficam na estrada que liga Porto Amboim à Gabela e são uma imagem de marca de Angola. O espaço é lindo, está limpo, tem uma zona de piquenique bem arranjadinha e dá para tomar banho no rio (há quem diga que há crocodilos por perto, por isso esta mocinha não põe lá  os pés...).
Um sítio mesmo a não perder...Tão bonito que não há fotos que o mostrem...

quinta-feira, 21 de Agosto de 2014

Filho, queres ver como é que é o trabalho do pai?


Sempre que vejo este anúncio da Vodafone em que o pai mostra ao filho onde trabalha, comovo-me. Sei bem a relação especial que o Luís tem com os filhos e como é tão importante para ele que nós estejamos cá, a conhecer o mundo dele, os novos amigos dele, a nova vida dele...de  que nós fazemos parte e de que queremos saber tudo.

Há coisas que só mesmo vendo, vivenciando...Por isso e por muito mais, tínhamos de vir cá...ver tudo...O anúncio é lindo e realça a importância dos meios de comunicação, mas há coisas que só estando cá...

quarta-feira, 20 de Agosto de 2014

Sofia vai às compras-passo 1


Os legumes e a fruta nos supermercados são muito caros ( um quilo de maçãs pode custar 4 euros), por isso a solução é mesmo ir ao mercado onde os produtos me parecem ter mais qualidade e os preços são mais em conta. Aqui em Sumbe, costumamos ir ao Mercado Municipal, que é um mercado pequenino e bom para quem como eu ainda se está a habituar. As bancas estão sempre muito organizadas e o os preços variam entre os cem kwanzas de um molhinho de feijão verde a duzentas e cinquentas kwanzas por um ananás (cerca de dois euros).
No sábado, vou-me aventurar pelo Mercado do Chingo, um mercado onde se vende de tudo, e segundo o Luís, muito maior e mais confuso, mas onde posso comprar os coloridos panos africanos e onde se sente o verdadeiro pulsar de África. Fica para o passo 2!
 

terça-feira, 19 de Agosto de 2014

O que é um Braai?

 
No sábado, fomos convidados para um Braai. Um Braai é, em afrikander, uma festa em que cada um leva a sua comida para grelhar e depois se partilha a sobremesa e um bom vinho. Muito típico dos sul-africanos que por cá moram são uns espaços construídos com pedras, em que a fogueira está no centro e à volta se sentam os convidados. Fiquei com vontade de ter um espaço assim em Portugal...era bom era ter as temperaturas amenas que temos por aqui à noite...

O Miguel recomenda...


O protetor solar faz parte das nossas rotinas. O Miguel é fã de tudo o que seja spray e adora este do Boticário. O  cheirinho é mesmo bom e espalha-se muito facilmente. Apesar de ser a época do cacimbo e do sol não estar tão forte como no verão de cá, o protetor é obrigatório e acreditem que a este é um prazer fazer publicidade... Recomendadíssimo ( e agora a 9, 99Euros).

O Miguel sai à mãe. Gosta de fotos e a ideia deste post foi dele. Para que conste...

segunda-feira, 18 de Agosto de 2014

Baía do Quicombo...













A Baia do Quicombo fica a cerca de quinze quilómetros de Sumbe e é linda. Para chegar à praia passamos por entre as casas da aldeia, sempre muito devagarinho, porque há muitas crianças a brincar ( e galinhas, cabras e porcos a passar também). 

Fomos com um casal sul-africano que vive cá com os dois filhos e foi um dia inteiro com uma praia só para nós. Só para nós e para uns miúdos lindos que resolveram seguir-nos. Primeiro, ficaram um bocadinho afastados, mas depois foram-se aproximando... Eu gosto de falar com eles e gosto dos sorrisos cúmplices que eles trocam entre si (esta branquela parece um frango depenado, aposto que dizem).

Quanto aos sortudos dos meus rapazes (sim, porque eu continuo a achar que eles têm muita mais sorte do que a maioria das crianças que vejo), passaram um dia feliz...com novos amigos, com os pais por perto, relaxados, a aproveitar tudo de tão maravilhoso que a natureza nos oferece. 

Vai com calma...

Cachoeiras. Uma festa sul-africana. Praia. Tantas fotos para postar... Tanta vontade de escrever sobre tanto... Tanta vontade de ter internet sem restrição...
A internet é cara e se usarmos muito o skype com imagem, acaba num instantinho... Luz, água, eletricidade e internet têm linguagem própria por aqui... Relaxa, Sofia...Calma... A vida prossegue...








sexta-feira, 15 de Agosto de 2014

Botas...em Angola?


Quando comecei a fazer a mala, deparei-me com uma quantidade enorme de sapatos para trazer...Uma rapariga nunca sabe o que lhe pode apetecer calçar... Claro que eu sabia que não ia andar em festas todos os dias, mas não queria ser apanhada desprevenida. Trouxe então dois pares sandálias de salto alto (só usei uma vez), umas sabrinas, sapatilhas, as indispensáveis havaianas e os botins que comprei nos saldos da Stradivarius.
O Luís tinha-me dito que em Angola há ruas com muito pó e como eu tenho a paranóia de que os mosquitos acham os meus pés muito atraentes, pensei em trazer os meus botins para Angola, o que à primeira vista, parecia não combinar muito bem, por causa do calor e e tal... Pois, para que conste, é o que mais tenho usado e foi uma excelente ideia porque uso com tudo e ando à vontade nas ruas...

Os meus são da Stradivarius, não foram caros, têm uma cunha interna de 4 cms, costumo usá-los dobrados e são estesMas há botins giros em muitos lados. Fica o conselho.

quinta-feira, 14 de Agosto de 2014

Mephaquin, repelentes e a minha experiência...a quem interesse...



Há muitas opiniões sobre tomar ou não Mephaquin como profilaxia para a malária. O Luís, como está aqui há um ano, não faz e só tomou nas primeiras semanas. Segundo ele, sempre que tomava o comprimido, não se sentia muito bem.

Quanto a mim e aos meus filhos, temos feito tudo direitinho. Eles ainda nunca se queixaram e eu apenas num dos dias tive umas dores de cabeça, mas nada de especial. Na consulta do viajante, a médica aconselhou-nos e eu resolvi seguir o conselho de quem sabe mais do que eu. Ouvem-se muitas coisas, que faz mal ao fígado e a isto e àquilo. Nós resolvemos tomar. Foi a nossa decisão (o meu lado hipocondríaco não me faria decidir de outra maneira, confesso).

Os outros medicamentos que trouxe também foram prescritos pela médica e embora  eu reze para que não sejam necessários, gosto de os ter ali na gaveta, just in case...

Quanto a repelentes, o meu conselho é que os cheirem antes de comprar, se possível. Por exemplo, o Previpiq...aposto que é muito bom, mas o cheiro enjoa-me um bocadinho. O meu preferido é o Pre Butix em spray que usamos todos os dias. Eu costumo colocar de manhã, ao final da tarde e ponho um bocadinho nos miúdos antes de irem dormir. Para afastar mosquitos, costumo pôr uma vez por dia Raid nos quartos (horas antes de irmos dormir)  e tenho o ar condicionado praticamente ligado o dia todo. Sim, eu sei que talvez seja um exagero, mas eu preciso de me sentir sossegadinha  e não me apetece arriscar com doenças como o paludismo, dengue e chikungunya...

Quanto às águas, só fervidas...Tenho arriscado na fruta com casca, mas primeiro lavo mesmo muito bem com água e lixívia (para os meus meninos só descascada). Alface, ainda não comprei ( e sinto-lhe a falta). Iogurtes também são algo de que sentimos falta ( são mesmo muito caros por aqui) e arrependo-me de não ter comprado uma iogurteira para ter trazido para cá...teria dado muito jeito!

E para já é isto...A minha experiência. Sei que, a exemplo de alguns emails que tenho recebido, interessa a muita gente. Espero que ajude...

quarta-feira, 13 de Agosto de 2014

Uma missão que vocês têm de conhecer...


Fomos ontem a um jantar muito especial... Nos arredores de Sumbe, por um caminho que só se pode fazer de jipe, no meio de gente e mais gente, uma luz: a casa da Missão Ondjoyetu. À nossa espera um dos melhores caldos verdes que comi (cozinhado pelo Avô Filipe), os sorrisos da Joaninha e da Teresinha, a simpatia da Tânia, voluntária da Associação Move-te Mais e a disponibilidade do Padre Vitor Mira.
O Padre Vitor Mira coordena a Missão Ondjoyetu,  ligada à Diocese Leiria-Fátima, e ele, assim como muitos que pertencem à Missão, tem feito tanto pelos mais desvaforecidos  da região de Sumbe que eu, por mais que tente, não vos vou conseguir escrever aqui esse tanto que tem sido feito.E não é de agora, é ainda do tempo em que havia guerra por aqui. Já nessa altura, o Padre Vítor por aqui andava, sem baixar os braços...
Só sei que é impossível não me emocionar com os relatos que ouço e não me espantar com a tenacidade de um homem que, com um sorriso no rosto, ajuda os que mais precisam sem esperar nada, absolutamente nada em troca. Um homem que tem sempre uma palavra amiga e que também tem sido um apoio importante para o Luís e para a minha família.

Quando conheço pessoas assim como as que estão na Missão Ondjoyetu sinto sempre que ainda tenho muito para crescer, para aprender, para melhorar como pessoa. E sinto também que, se eu melhorasse mais, se mais de nós melhorássemos mais, o mundo seria mais justo e todos seríamos mais felizes. 

Eu, por mim, vou continuar a tentar, sem perder de vista quem tanto me inspira...

Catorze anos, em Angola...


O Gonçalo, o meu menino grande, fez hoje catorze anos. Sinto um orgulho enorme nele e se não falo mais vezes dele aqui no blogue é porque agora tenho que lhe pedir sempre autorização. O mesmo com as fotos (e eu tenho que lhe dar razão..).
Quanto à festa de anos que preparámos, sei que ele não a esquecerá. Tudo muito simples, com os bolos preferidos dele  (de bolacha e de cenoura) e com a ginguba daqui. Desta vez a nossa família não esteve presente fisicamente.. Esteve presente a família daqui do Luís, que o ajuda a suportar os dias: sul-africanos, angolanos,  portugueses...Uma mistura de português e inglês e um saber que só assim, a buscar apoio uns nos outros, é possível suportar a saudade...


Parabéns, Gonçalo...Meu rapazinho de voz grossa, que eu amo incondicionalmente... E para que conste: mesmo quando te chamo a atenção para os atacadores...

terça-feira, 12 de Agosto de 2014

O que se ouve por aqui...

É impossível fugir destes ritmos que aprendemos a gostar. Embora por vezes me faça um bocadinho de confusão as letras das músicas, não consigo deixar de sorrir ao ouvir os meus meninos, com um ar tão certinho, a cantar as músicas daqui. E a verdade é que estas músicas combinam na perfeição com esta terra...

E, pode ser que me engane, mas um dia destes esta música está a fazer sucesso em Portugal...

segunda-feira, 11 de Agosto de 2014

Mas em Angola é tudo perfeito e paradisíaco?


Não. Eu é que tenho seguido o exemplo do Luís, que normalmente aponta a câmara fotográfica para as coisas boas, e quase sempre faço o mesmo. Se em Angola é tudo perfeito e paisagens paradisíacas? Não, reafirmo. E em Angola (como em Portugal e tantos outros lugares) também há muito para melhorar, sem esquecer que este país vive em paz há pouco mais de dez anos...
Em Angola, faz-me confusão o lixo em muitas ruas, as condições em que vive tanta gente, os porcos, galinhas e crianças partilharem o mesmo espaço, as escolas, os hospitais, e tanta coisa mais. Mas respeito muito estas gentes  e não gosto de registar o que, ao meu olhar de europeia, acho menos positivo. É a velha questão do copo meio cheio. Porque é que vou enfatizar o que não gosto tanto, o que me faz impressão, o que não compreendo? Tenho aprendido a não ser assim, tento ver o lado positivo de tudo. E acho que os meus quarenta e quatro anos de idade já me dão um bocadinho de autoridade para aconselhar a viver assim...

Por isso é que privilegio fotos do que me emociona, do que me faz feliz,do que me faz esquecer o que me dói... Mas em Angola a vida não é perfeita. A minha vida não é perfeita. Mas tenho momentos perfeitos. E, se pensarem bem, aposto que vocês também os têm.

domingo, 10 de Agosto de 2014

Benguela...agradecer...

Acabei de dizer ao Luís que o fim-de-semana foi tão feliz e com tantos momentos marcantes que eu ia ter dificuldade em escrever este post. É sempre assim...quando as emoções são boas parece que as palavras nunca são suficientes...

Antes de mais, tivemos o privilégio de ficarmos numa casa na praia com uma vista soberba. Só o Luís é que conhecia o casal e eu, com os meus medos de incomodar, até tinha sugerido ficarmos antes num hotel. Nessa altura, o Luís disse-me que tinha a certeza que eu iria adorar conhecer a Soraia e o Paulo, o casal que nos acolheu. Estava certíssimo o senhor meu marido, fomos muito bem recebidos, como se fossemos amigos de há anos, com um à vontade e uma naturalidade que é muito própria dos portugueses que aqui vivem...As casas estão sempre abertas para os amigos, para os amigos dos amigos...
Eu sempre soube que estão muitos portugueses em Angola, mas agora constatei. São muitas as histórias, as dificuldades, as saudades de um país que, por vezes, parece que nos incita a partir, mas que nos une ao mesmo tempo... Sentimos que, por mais mar que nos separe, continua a existir um país a que pertencemos. E eu acho que é isso que torna esta união dos que se encontram longe, tão especial.

Benguela é uma cidade muito mais organizada do que eu pensava (há ruas com casas da década de sessenta que me lembram muito São Pedro de Moel), tem bons restaurantes (nós fomos ao Benamor - obrigada, João), praias lindíssimas e uns búzios e mexilhões deliciosos. Só passei aqui três dias e percebo as saudades que esta zona deixa/deixou a muita gente... Quanto a mim, adoraria voltar...

Uma casa especial
A vista ao acordar...

Quatro macaquitos!
Praia Baía Azul
Corre, Gonçalo, corre!

Matar saudades da praia...

O Eurico não percebia bem o que o Miguel dizia. O Miguel também não percebia bem o Eurico, mas o sorriso e um buraco na areia são linguagem universal...

Praia da Caotinha 

Tanto mar...

Os pescadores a quem comprámos mexilhões e búzios fresquíssimos...

O dia estava um bocadinho cinzento, mas não tirou a beleza à paisagem...

Os búzios antes...

...e depois.

Eu não sou muito de atividades radicais, mas deixei-me contagiar...só um bocadinho.

Na marginal de Benguela...

E depois de um fim-de-semana assim, regressar à nossa casinha de Sumbe a sentir que somos uns afortunados e a agradecer uma vez,e outra e outra...